Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Desafio Linguístico

 
 
Como sei que não têm mais nada para fazer, lanço-vos um desafio linguístico que recebi por mail. É óptimo para testar os vossos neurónios e conhecimentos de Língua Portuguesa.
 
Trata-se de um teste realizado num curso da American Airlines. Na frase seguinte deverá ser colocado "UM PONTO FINAL e DUAS VÍRGULAS" para que a frase tenha sentido.
 
 
 
MARIA TOMA BANHO PORQUE SUA MÃE DISSE ELA DÊ-ME A TOALHA
 
 
 
Têm 24 horas para responder. Amanhã a esta hora, dou-vos a resposta correcta! Think Pink!
 
 

Sapo no Forno à Moda da Pessoinha

                                               

 

 

Ingredientes:

 
- 1 sapo verde, gordo e preguiçoso
- 1 mão cheia de tansos da espécie bloguista
- 2 tomates para dar coragem
- 1 cabeça de alho (para mandar…)
- 1 pitada de  sal para temperar olhos
- pimenta forte para pôr na língua
- manteiga para deixar a pele crocante
- 2 limões bem ácidos para arder bastante
- ervas aromáticas de paciência para polvilhar
 
Preparação:
 
Pegue estrangule no sapo e coloque-o num tabuleiro para ir ao forno a uma temperatura infernal. Tempere o sapo com bastante sal nos olhos, bastante pimenta na língua e sumo de limão q.b. por todo o corpo não esquecendo a zona dos olhos, nariz e boca. Mande o sapo para o alho, depois de retirar as peles da cabeça. Deixe a marinar durante 24 horas.
Ligue o forno com antecedência para atingir uma temperatura infernal. Pegue no tabuleiro onde tem o sapo a marinar e coloque um limão bem grande no orifício rabal do sapo. Esfregue todo o sapo com manteiga para assar bem e ficar com queimaduras de terceiro grau ficar estaladiço. Por fim, pegue nos dois tomates, acerte  coloque em zonas estratégias para lhe dar algum gosto de vingança.
De seguida, coloque no forno. O sapo estará pronto quando gritar socorro a pele estiver bem tostada.
Para finalização do prato, sirva polvilhado de ervas aromáticas de paciência, acompanhado de uma mão cheia de tansos bloguistas. Bom proveito!
 

Um Quase Voo

                                             

 

 

Tenho de começar este posta a dizer “$=#!%”%(=&(#$&=!!! Alto e bom som! São todos contra o mesmo, neste caso a mesma.

 

A quarta-feira é o meu pior dia de trabalho, já o disse aqui várias vezes. Mas não é preciso começar mal… logo mal uma pessoa sai de casa… não é?

 

Sai uma pessoa de casa toda lampeirinha para ir beber o seu descafé matinal, quando aquilo se dá!

Saio da porta, encontro a vizinha com quem troco meia dúzia de palavras e começo a descer as escadas.

 

Pé atrás de pé e de repente… shazam! Desaparece-me tudo debaixo dos pés… entro em quase-queda livre e despontam umas asas nas minhas costas!

Escorrega-me o pé inexplicavelmente, desequilibro-me pra cima da m*rd* de um corrimão metálico que foi aqui colocado e não espeto um apoio metálico nas costas porque não calhou!

 

Proferi todos os impropérios cabeludos e só pensei que tinha rasgado na porcaria do corrimão e que me doía o tornozelo por causa da leve entorse. Vá lá não ser a patinha da fractura. Acho que os putos iam ficar muito conteste porque não iam ter aulas. Ou não!

 

 

 

 

Smells Like... Something!

 

 

 

 

 

 

 

 

Não suporto o meu cheiro. Há dias, então, terríveis! E agora estou a atravessar uma fase dessas. Agudíssima! Argh!

 

 

Hei! Não é nada disso que estão a pensar…! Não é o meu odor corporal que não suporto. Até porque sou uma gaija muita perfumadinha e lavadinha. É o meu olfacto apuradíssimo, a minha capacidade “cheiratória”.

 

Ando numa fase de olfactitis terribilis aguda. Não sei se é dos nervos, se é do tempo, se é o meu cheiro a ficar AINDA mais apurado. Mas o que é facto é que ando cheia de náuseas, todos os cheiros me incomodam, e não há cheiro que escape aos outros que não venha ter com o meu nariz.

 

É altamente perturbador ter este faro apuradíssimo. Uma pessoa entra em qualquer lado e sente logo todos os odores que por ali existem, conseguindo identificar cada um deles, enquanto às outras pessoas passam ao lado.

 

Imaginem agora como é nos transportes públicos à hora de ponta… ah, pois é! Aquilo é um festival de odores… Ainda ontem eu estava a contar os segundos para chegar à minha paragem pois ia alguém perto de mim com um cheiro que me estava a provocar umas náuseas terríveis. Cheguei ao ponto de ter alucinações, de ver uma cena de vomituração ali no bus. Até já estava a imaginar a mulherzita que ia sentada à minha frente com uma camisola nova e todo o autocarro com uma nova decoração…

 

Já à hora de almoço gramei com o pivete da velha-da-camioneta (um dia destes dedico-lhe um post) e estava a ver que tinha de sair mais cedo do bus e ir o resto do caminho para o colégio a pé. Que cheiro a não sei quê…!

 

 

Heeelp! O que é que posso fazer para evitar isto? Alguém tem algum truque?! Já pensei em por uma mola no nariz mas é capaz de fazer doer um pouco...

 

 

 

De Coração Inchado!

 Isto só podia vir da minha amiga Bichaninha! Sim a culpa disto é tua!

 

Encheste-me de mimos e agora quem é que me vai aturar?!

 

 

Prémio nº 1
 
 
(não podia ser mais verdade...!)
 
 
Prémio nº 2
 
 
(como descobriram o meu "real me"?!)
Prémio nº 3
 
 
(sou uma menina bem mandada por isso vou passar.)
 
Considerem-se passados todos aqueles que estão ali  ao lado   <-----
Opps! Não era nem isto que eu queria dizer...
Mas vocês perceberam. Agora vá de fazer copy/paste para os blóguios!
 

Crazy

 

 

 

I remember when, I remember, I remember when I lost my mind
There was something so pleasant about that place.
Even your emotions had an echo
In so much space

And when you're out there
Without care,
Yeah, I was out of touch
But it wasn't because I didn't know enough
I just knew too much

Does that make me crazy
Does that make me crazy
Does that make me crazy
Possibly

And I hope that you are having the time of your life
But think twice, that's my only advice

Come on now, who do you, who do you, who do you, who do you think you are,
Ha ha ha bless your soul
You really think you're in control

Well, I think you're crazy
I think you're crazy
I think you're crazy
Just like me

My heroes had the heart to Lose their lives out on a limb
And all I remember is thinking, I want to be like them
Ever since I was little, ever since I was little it looked like fun
And it's no coincidence I've come
And I can die when I'm done

Maybe I'm crazy
Maybe you're crazy
Maybe we're crazy
Possibly

 

 


(Gosto bué desta musiquinha, embora não tenha nenhum significado especial... It's only... crazy!)

 

 

Morder… Não Vale!

 

Existe um canídeo morador aqui na zona que tem a mania que é esperto. E raivoso. E odiento.

 

Passo a explicar: o raio do cão é pequeno, ladradiço e implicativo. O meu Bóbi que só quer é brincadeira, um dia destes foi todo lampeiro brincar com o ladradiço. Então não é que o mini-cão ladradiço arreganhou a dentuça ao meu Bóbi?!

 

Ora o Mr. Bóbi que até é grandinho e forte, mostrou-lhe a bela dentuça de volta e mandou-lhe meia dúzia de ladradelas zangadas. De tal forma elucidativas, que o mini-cão partiu a fugir para casa com o rabo entre as pernas.

 

Como o mini-cão é rancoroso, sempre que me vê na rua desata a ladrar-me todo zangado. Mesmo que esteja com a focinheira a espreitar à janela e me veja, faz um grande alarde. 

 

Um dia destes, vinha o mini-cão com a dona, preso pela trela e só não me deu uma trinca na perna porque a dona o travou a tempo.

Hoje, vinha eu do meu descafé, calmamente, descansadinha, quando o raio do mini-cão saiu disparado do prédio onde vive, a toda a velocidade, disposto a dar-me uma trinca.

 

Vi o caso mal parado. Não é que aquela mini-coisa vinha de pêlo todo eriçado e cãs dentuças mal lavadas arreganhadas mesmo pronto a trincar-me as calças? Eu é que lhe disse: Hei! Alto e pára o baile! Se me dás uma trinca levas duas … além disso vou buscar o Bóbi para ter uma conversinha contigo… Pode ser que fiques careca no rabo!

 

E pronto. Parece que convenci o mini-coisa a refrear a vontade e prossegui direitinha a casa a fazer figas para chegar com as calças intactas!

 

Pág. 3/3